Mário Bonança - Arena Carbon Wetsuit Open Water Swimming

Informação Aqualoja: Os fatos isotérmicos da Arena são os únicos no mundo com aprovação FINA para águas abertas em 2017

Os fatos da Zone3 cumprem o regulamento atual e são permitidos em provas oficiais de águas abertas (FINA) em 2017 (possivelmente depois)

Existem no mercado fatos de águas abertas que não cumprem o regulamento! Consulte a aqualoja para confirmar.

Atualmente a disciplina de AA, tem vindo a sofrer alterações competitivas derivada à introdução do fato isotérmico. O facto de para temperatura da água abaixo 18,0ºC ser obrigatória a utilização destes fatos e a possibilidade de utilização do fato até aos 20,0º, ainda que de forma facultativa, fará com que muitas provas de AA (independentemente da distância) sejam disputadas a velocidades superiores dada a inclusão desta ferramenta na disciplina. A opção dos nadadores deve recair pelo nado com o fato isotérmico sempre que a temperatura da água seja inferior ou igual a 20,0º, pois caso contrário os nadadores que não escolherem nadar de fato térmico ficarão em desvantagem competitiva.

Posto isto, é determinante compreender o pensamento dos nadadores relativamente, à adaptação, estratégias para utilização eficiente e conforto do fato térmico. A aqualoja desenvolveu um pequeno estudo que procura dar resposta a estes aspectos. Os modelos utilizados foram o Arena Carbon Triwetsuit [1] e o Arena Triwetsuit [2], a amostra consistiu num grupo de nadadores de elite das AA nacional.

Em termos de adaptação ao fato, os principais nadadores de AA em Portugal defendem a importância de um aquecimento fora de água completo direccionado para a articulação do ombro. O reforço de ombro com recurso a um elástico ou altere de peso reduzido é também um alerta deixado por estes atletas. Quanto à adaptação ao fato no verdadeiro contexto de utilização, seja ele em mar, rio, barragem ou lago é de facto fundamental o nado continuo com o fato apresentando volumes de treino próximos aqueles que os nadadores vão encontrar na prova. Esta adaptação específica é aconselhada pelo menos duas a três vezes por semana e na opinião dos atletas deverá mesmo ter lugar no mar ou outro local outdoor propício à prática da disciplina. Por outro lado, na piscina e apesar de ser possível a utilização do fato é desaconselhada devido à existência de temperaturas elevadas da água (acima dos 27º). Contudo, a realçar ainda que o tipo de sessões de treino com fato deverão conter, tal como em natação pura um forte incremento aeróbio e um recurso a intensidades anaeróbias, pois acabarão por ser intensidades muito fortes aquelas que estes nadadores de AA vão encontrar em situação de prova.

No que respeita a estratégias para a utilização eficiente do fato, foram identificadas duas tendências por parte dos atletas nacionais. Um batimento de pernas contido mas forte dada a propensão que os fatos da arena apresentam, ou seja quanto mais forte o batimento maior propulsão e velocidade são adquiridas pelos MI [3], e ainda um nado mais comprido sem encurtamento da braçada na acção ascendente final por parte dos MS [4] com uma frequência de braçada elevada são determinantes.

Em relação ao conforto, a forma como o fato é vestido e a sua colocação final no corpo, bem como a utilização de um creme anti assaduras são dois aspectos de extrema importância do ponto de vista dos atletas. Para os nadadores portugueses é muito importante que a colocação da parte inferior do fato seja realizada no início do gémeo, deixando o tornozelo e parte superior a descoberto de modo a conferir um conforto maior da colocação do fato da cintura até ao pescoço. A elite de atletas de AA nacional defende ainda o uso de um creme gordo [5] ou vaselina [6] (na opinião dos atletas o creme nivea é o mais eficaz) em torno de todo o pescoço em maior quantidade e em quantidade mais reduzida nas axilas.

Apesar de já terem sido realizadas algumas provas nacionais com fato isotérmico, estas provas foram em distâncias muito inferiores às distâncias competitivas presentes no calendário mundial e europeu de AA.

A expectativa e a curiosidade de principais treinadores, atletas e intervenientes no universo desta disciplina apresenta-se neste momento em alta, numa altura da época em que faltam poucos dias para a Taça do mundo de Setúbal (10Km), competição que poderá evidenciar-se como a primeira da FINA em que os atletas participantes nadarão pela primeira vez distâncias longas com o fato isotérmico.

 

Por Mário Bonança, PhD pela Universidade Lusófona de Tecnologias e Humanidades de Lisboa, Faculdade de Desporto.

 

 [1] hiperligação apresentado é para a versão masculina. para versão feminina utilizar esta (N do E.)                                                          

 [2] hiperligação apresentado é para a versão masculina. para versão feminina utilizar esta (N do E.)

[3] MI = Membros Inferiores, um termo bem estabelecido na literatura da especialidade

[4] MS = Membros Superiores, um termo bem estabelecido na literatura da especialidade

[5] [6] em termos de durabilidade dos fatos os principais fabricantes desaconselham este tipo de cremes. Na prática quanto menor a quantidade e maior a penetração na pele (por oposição a deixar creme à superfície)  menor o risco de deterioração do equipamento. Os Fabricantes aconselham cremes próprios para fatos isotérmicos de natação e triatlo. Pode contatar a aqualoja em caso de dúvida (Nota da aqualoja).